Mundo I Obama segura saia da 1ª dama, Michelle, e evita flagra indiscreto no vento (10/04/14)

O presidente Barack Obama ajuda sua mulher, Michelle, a se proteger das rajadas de vento nas escadas do avião Força Aérea Um, na saída de Houston e na chegada a Austin, onde participam de cerimônia comemorando os 50 anos do Ato de Direitos Civis

Pat Sullivan/AP; Carolyn Kaster/AP

___________________________________________________________________________________

Mundo  I  Murdoch, Wendi e Tony Blair: triângulo amoroso terminou em divórcio e fim de uma longa amizade     (08/04/14)

Revista Vanity Fair publicou um relatório extenso sobre suposto caso que ex-esposa de Rupert Murdoch, Wendi Deng, teria tido com o ex-primeiro ministro britânico

Luciana Carvalho, de

Rupert Murdoch, Wendi Deng e Tony Blair: triângulo amoroso terminou em divórcio e fim de uma longa amizade  

São Paulo – Os últimos anos não têm sido fáceis para o empresário Rupert Murdoch. Após ser pivô de um escândalo de escutas telefônicas do tabloide News of the World, em 2011 e 2012, o que culminou com sua saída da direção de jornais britânicos como “The Sun”, “The Times” e “The Sunday Times”, o bilionário passou por outros baques emocionais que envolveram seu casamento com Wendi Deng.

Em uma extensa reportagem, a revista Vanity Fair expôs os bastidores de um escandaloso triângulo amoroso entre Murdoch, Wendi e o ex-primeiro ministro britânico Tony Blair, que até o estouro do caso era um amigo próximo da família. Wendi foi a terceira esposa de Murdoch, com quem ele ficou casado por 14 anos, de 1999 a 2013, e com quem teve duas filhas (Grace, nascida em 2001, e afilhada de Blair, e Chloe, em 2003).

A amizade entre o político e o empresário foi um pouco mais longa, já que, de acordo com a publicação, de 1997 a 2007, os dois “comandavam” juntos a Grã Bretanha. Entre as evidências que deram suporte para a suspeita de traição estão bilhetes que ela costumava escrever e depoimentos de empregados do casal.

Em uma das mensagens redigidas por ela, Wendi parecia uma jovem apaixonada. “Oh droga, oh droga, por que razão eu sinto tanto a falta de Tony. Porque suas roupas são tão boas. Ele tem um corpo tão bom e ele tem pernas muito, muito boas. Olhos azuis perfurantes que eu amo. Amo seus olhos. Além disso, eu amo seu poder no palco... e o que mais e o que mais e o que mais...”, diz um dos textos escritos por ela.

Quando confrontado sobre essa profunda admiração, Tony Blair (casado desde 1980) afirmou, na época, que nunca se relacionou com Wendi além da amizade e que era um confidente do casal, que passava por uma crise. No entanto, relatos colhidos pela revista indicaram que sua presença era constante mesmo quando Murdoch não estava.

Segundo a Vanity Fair, em uma ocasião, Wendi teria dito ao marido que iria fazer um “fim de semana das meninas”, em que chamaria algumas amigas para seu rancho, em Carmel, na Califórnia, apenas como pretexto para ficar sozinha com Blair. Sua casa em Londres também teria sido palco do relacionamento clandestino. Em uma dessas vezes, funcionários ficaram desconcertados ao verem Wendi e Blair dando comida um para o outro.

E Tony Blair não foi o único a figurar como amante da ex-esposa de Murdoch. A mesma reportagem da Vanity Fair revela que um dos bilhetes escritos por ela para si mesma se refere ao presidente do conselho do Google, Eric Schmidt, como sendo um ex-amante não muito querido. “Eric fez sexo com Lisa (a executiva Lisa Shields). Lisa nunca terá meu estilo, graça... Eu alcancei meu propósito de Eric me ver tão maravilhosa e tão fantástica e tão jovem, tão legal, chique, estilosa, tão divertida e ele não pode me ter. Eu não me sinto triste nunca... sobre perder Eric... Além disso, ele está realmente feio. Pouco atraente... e gordo”.

De acordo com o Daily News, o fim do relacionamento de Murdoch com Wendi não deixará um prejuízo tão grande quanto o do divórcio anterior de Murdoch (feito em 1999), que custou nada menos que 1,7 bilhão de dólares. Apesar de toda essa repercussão, o casal Rupert Murdoch e Wendi Deng preferiu não comentar sobre o divórcio.

___________________________________________________________________________________

Mundo  I  Ucranianas lançam campanha para greve de sexo com russos    (25/03/14)

Em resposta à crise entre os dois países, grupo lançou t-shirts de protesto

Enquanto a crise entre Rússia  e Ucrânia parece longe do fim, ucranianas resolveram lançar uma campanha  bem-humorada para combater as sansões impostas pela nação liderada pelo  presidente Vladimir Putin. Elas criaram uma linha de camisetas com frases e  desenhos que recomendam às conterrâneas que não façam sexo com russos.

A campanha foi lançada em uma página no Facebook e não para de ganhar popularidade. A  camiseta é estampada com uma imagem em que duas mãos formam um desenho que  lembra uma vagina, acompanhada por uma frase que sugere algo como “não faça sexo  com um russo”.

Conforme informou a revista “Time”, as peças são vendidas pela própria página  na rede social e a receita gerada pela venda vai para o exército ucraniano. A  campanha já se transformou em viral na internet russa, onde, como era de se  esperar, pipocam mensagens debochadas sobre a iniciativa. [ela.oglobo]

___________________________________________________________________________________

Mundo  I  Humaira Bachal enfrenta Paquistão e cria escola para mulheres e crianças    (07/03/14)

Aos 24 anos, ela é a responsável pela única escola acessível de seu bairro, que já assiste mais de 1200 crianças. Jornada contra as tradições da família e do país começou há 12 anos

Humaira Bachal, paquistanesa de 24 anos que há 12 luta pelo direito da mulher à educação  (Foto: Reprodução/ Facebook)

No aglomerado de casas na favela de Baldia Town of Mawach Goth, no Paquistão, os moradores acreditam que uma jovem mulher de 20 e poucos anos tem o potencial de abrir o caminho para o seu futuro. Neste bairro, onde há uma década a educação era considerada inútil, está instalado agora um edifício onde mais de 1.200 crianças recebem educação formal e profissional de 25 educadores voluntários em 11 quartos espaçosos. Os moradores da região sabem muito bem quem é a responsável pela mudança repentina: Humaira Bachal, paquistanesa de 24 anos e que há mais de 12 luta pelos direitos das mulheres à educação.

A jornada de Humaira começou em 2001, quando junto com sua irmã e três amigos começou a dar aulas para crianças da sua vizinhança em sua casa. Naquela época, Humaira já enfrentava forte resistência da família quando o assunto era sua educação superior. A paquistanesa cresceu no sistema feudal de Tando Hafiz Shah, no distrito de Thatta. Depois, ela e sua família se mudaram para Karachi e se estabeleceram em Mawach Goth, mas as tradições familiares continuaram as mesmas.
O lugar onde moram agora compreende diferentes comunidades e culturas, mas as crenças e métodos de vida não diferem muito da área rural, por exemplo: “Sair na rua para as meninas é considerado um tabu até mesmo se for para ir à escola. A única unidade de educação pública fica num lugar inacessível e os pais não querem gastar dinheiro com a educação de seus filhos”, diz a jovem para o jornal “The Express Tribune”.
Humaira reuniu coragem e pegou para si a responsabilidade de educar outras meninas. Um incidente em sua família aumentou sua determinação: ela testemunhou a trágica morte do filho de seu primo, de apenas oito meses. "A criança ficou azul de um dia para o outro e todo mundo acreditava que a mãe o havia matado. Ela tinha dado à criança um xarope para combater uma febre que estava vencido há dois anos porque não sabia ler e, consequentemente, não olhou para o rótulo”, conta.

HUMAIRA E OS PROFESSORES VOLUNTÁRIOS DA ESCOLA DREAM MODEL STREET SCHOOL (Foto: Reprodução/ Facebook)

Humaira e os professores voluntários da escola Dream Model Street School  (Foto: Reprodução/ Facebook)

Em 2004, a casa de Humaira começou a ficar pequena e ela procurou um lugar maior para dar aulas: "Foi certamente estranho para os mais velhos que uma menina de 15 anos estava pedindo-lhes um lugar para educar os outros", relembra. Uma casa de dois quartos foi alugada com o dinheiro de Humaira e dos outros professores voluntários. A situação mudou em 2007, quando a ONG Shirkat Gah tomou conhecimento da situação e passou a ajudar. “A escola conseguiu sobreviver devido aos livros recolhidos de escolas públicas em áreas próximas. Nós também organizamos campanhas e batemos de porta em porta para aconselhar os pais. Algumas pessoas ficaram tão enfurecidas que atiraram pedras na nossa escola", conta a paquistanesa.

Parece que sua campanha particular tem dado certo. Assim como Malala Yousafzai, jovem conhecida no mundo inteiro, vítima de uma tentativa de assassinato por lutar pelos direitos das mulheres à educação, Humaira Bachal é hoje uma defensora global dos direito das mulheres no Paquistão. Em entrevista ao site da emissora de rádio norte-americana NPR, ela disse que não tem medo de sofrer retaliações como a compatriota: "Não é apenas uma Malala ou uma Bachal que levantou a voz para mudar esta situação. Há um monte de outras meninas que estão tentando mudar as coisas. Mesmo que eles sejam 100 Humairas, nunca serão capazes de nos parar". Sua luta ficou ainda mais conhecida após a divulgação do curta-metragem “Humaira: The Dream Catcher”, dirigido pela premiada diretora paquistanesa Sharmeen Obaid-Chinoy e que conta um pouco de sua jornada.

Mesmo já feito tanto, Humaira não prentende parar: o próximo passo da paquistanesa é desenvolver projetos de educação nas 114 favelas que ficam próximas do bairro onde mora. Alguém duvida que ela chega lá? {Marie Claire]

___________________________________________________________________________________

Mundo  I  Angelina Jolie agradece ao Líbano por receber refugiados    (24/02/14)

A atriz agradeceu às autoridades libanesas por seu trabalho de acolhida e proteção dos refugiados sírios desde o início do conflito

 

Genebra - A atriz Angelina Jolie, enviada especial do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), agradeceu nesta segunda-feira às autoridades libanesas por seu trabalho de acolhida e proteção dos refugiados sírios desde o início do conflito, em 2011, especialmente com as crianças.

Jolie concluiu hoje uma visita de três dias ao Líbano, onde comprovou no terreno como vivem as comunidades de refugiados sírios nesse país, informou Acnur em comunicado.

Durante sua estada, a atriz se reuniu com famílias de refugiados e conversou com o presidente do Líbano, Michel Suleiman, e o primeiro-ministro, Tamam Salam.

A atriz destacou a "contribuição vital" que o Líbano realiza como destino da maior proporção de refugiados por causa da crise síria, número que quase chega a 1 milhão.

Jolie também visitou as crianças órfãs que vivem no vale do Bekaa, onde há cerca de 3.500 menores de idade que chegaram ao Líbano sozinhos ou foram separados de suas famílias, o que considerou "uma experiência dilacerante".

Tenda com refugiados sírios: Jolie concluiu hoje uma visita de três dias ao Líbano

A artista se mostrou satisfeita com a resolução do Conselho de Segurança da ONU adotada neste fim de semana para facilitar a entrada de ajuda humanitária na Síria, medida que "representa um passo na boa direção para atender aos civis presos em áreas de difícil acesso por causa da luta armada".

"A resolução deve ser mais que papeis. Deve ser implementada, o que implica disposição política e coragem. A unanimidade dentro do Conselho de Segurança provou uma nova fase rumo ao fim do conflito", afirmou.

Essa foi a terceira visita da atriz em nome do Acnur ao Líbano, onde havia estado pela última vez em setembro de 2012. 

___________________________________________________________________________________

Mundo  I  Integrantes do Pussy Riot Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova são libertadas em Sochi   (18/02/14)

Do G1, em São Paulo

Duas integrantes do grupo Pussy Riot, Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova, foram libertadas após terem sido detidas nesta terça-feira (18) na cidade russa de Sochi, onde ocorrem as Olimpíadas de Inverno, segundo a conta do marido de Tolokonnikova no Twitter.

"Nós fomos detidas e estamos acusadas de roubo", escreveu mais cedo Tolokonnikova, tambem no Twitter. Sua colega, Maria Alyokhina, confirmou que também foi detida.

Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova deixam delegacia em Adler, perto de Sochi, após serem detidas nesta terça-feira (18) (Foto: Andrej Isakovic/AFP)

"Quando nos prenderam, não estávamos em nenhuma ação, simplesmente passeávamos por Sochi", afirmou Tolokonnikova.

As duas foram detidas a 30 km do principal centro olímpico de Sochi.

De acordo com Tolokonnikova, uma terceira integrante do grupo também teria sido detida.

As mulheres foram levadas para uma delegacia de polícia do distrito de Adler.

Tolokonnikova, de 24 anos, e Alyokhina, 25, foram libertadas de colônias penitenciárias russas em dezembro, três meses antes do fim de suas sentenças de dois anos por participação em uma "oração punk" contra o presidente Vladimir Putin em uma catedral de Moscou.

A libertação das duas aconteceu pouco antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, que as autoridades russas desejavam transformar em uma vitrine impecável do país.

As duas mulheres participaram no fim de janeiro em um show em Nova York da estrela americana Madonna, que sempre expressou apoio ao Pussy Riot.

Integrantes do Pussy Riot, Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova participam de entrevista coletiva no evento Cinema for Peace, paralelo ao Festival de Berlim (Foto: Tobias Schwarz/Reuters)

Integrantes do Pussy Riot, Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova participam de entrevista coletiva no evento Cinema for Peace, paralelo ao Festival de Berlim (Foto: Tobias Schwarz/Reuters)

__________________________________________________________________________________

Mundo  I  Comissão culpará BBC por encobrir abuso sexual de animador, diz jornal britânico "The Observer"   (19/01/14)

O jornal britânico "The Observer" informou neste domingo que a BBC deve ser responsabilizada por fazer vista grossa para ex-apresentador infantil Jimmy Savile. Morto em 2011, ele é acusado de estuprar e abusar de centenas de pessoas, em sua maioria crianças, em 41 anos de carreira.

Segundo a publicação, o relatório final da Justiça sobre o caso, feito pela ex-membro da corte de apelações, Janet Smith, revelará que os executivos da BBC sabiam do comportamento do apresentador e não tomaram nenhuma providência.

O documento não apresentará o número de vítimas do ex-apresentador. A polícia afirmou em janeiro de 2013 que 214 pessoas haviam sido estupradas ou molestadas pelo animador, mas integrantes da comissão de investigação disseram ao "Observer" que o número pode passar de mil.

Embora tenham provas do envolvimento de diversos executivos e funcionários da emissora, a comissão se diz frustrada por não poder punir Savile e seus cúmplices. O relatório mostrará que o pico dos abusos sexuais foi nas décadas de 1960 e 1970, mas que os casos continuaram até 2006, quando tinha 79 anos.

O escândalo foi detonado em outubro de 2012, quando um programa levou ao ar depoimentos de pessoas que diziam ter sofrido abusos por parte do animador dentro das instalações da BBC e nos hospitais nos quais ele fazia trabalho de caridade.

O caso atingiu em cheio a BBC, que foi acusada de ter escondido denúncias, enquanto apresentava programas em homenagem a Savile. Desdobramentos do caso levaram à queda de toda a cúpula da emissora.

INDENIZAÇÃO

A comissão ouviu mais de mil testemunhas e vítimas, incluindo as 138 que processaram o ex-apresentador e a BBC em busca de indenização. Em alguns casos, houve ganho de causa, mas a emissora pagou £ 50 mil (R$ 195 mil) aos afetados, valor considerado baixo pela defesa e pela comissão de investigação.

A intenção dos advogados é que, após a divulgação do informe, a quantia paga pela emissora seja maior. "A indenização na lei civil raramente é menor que £ 50 mil e [o abuso sexual] é algo que muda a sua vida e repugnante. Eles realmente estão recebendo uma quantia aviltante", diz Liz Dux, que representa 74 vítimas.

Ela diz esperar que a emissora reconheça seu erro. "O que eu espero que não aconteça é que passe um tempo enorme pensando no que fez. Mais que olhar internamente, a emissora deve aceitar alguma responsabilidade corporativa. Meus clientes foram deixados em uma situação muito difícil".

___________________________________________________________________________________

Mundo  I  Na Nigéria, Rainhas da África tiram espaço da Barbie    (15/01/14)

LAGOS, 15 Jan (Reuters) - Com a economia da Nigéria em ascensão e mais crianças negras do que em qualquer outro lugar do mundo, Taofick Okoya ficou perplexo ao descobrir, anos atrás, que não podia encontrar uma boneca negra para a sobrinha.

O empreendedor, hoje com 43 anos, notou que havia um nicho de mercado, com pouca concorrência de multinacionais como a Mattel, fabricante de Barbie, e assim criou seu próprio negócio. Encomendou as peças na China, montou-as na própria Nigéria e acrescentou um toque local –- trajes típicos desta região da África.

Sete anos depois, Okoya vende entre 6.000 e 9.000 unidades mensais das linhas "Rainhas da África" e "Princesas Naija", e calcula dominar de 10% a 15% de um mercado ainda pequeno, mas que cresce aceleradamente.

"Eu gosto", disse Ifunanya Odiah, 5, que mal continha o entusiasmo ao ver uma boneca fabricada por Okoya em um shopping center de Lagos. "Ela é negra, igual a mim."

Embora muitas multinacionais estejam explorando os mercados africanos, a experiência de Okoya indica que, pelo menos em algumas áreas, há espaço para que empresas locais aproveitem o conhecimento nativo de modo a atender uma classe média cada vez maior e mais sofisticada.

Ninguém duvida do potencial econômico da Nigéria. O economista Jim O'Neill, criador da sigla Brics, reunindo grandes nações em desenvolvimento (Brasil, Rússia, Índia, China e posteriormente África do Sul), popularizou recentemente outra sigla, Mint, alusiva a uma nova onda de emergentes: México, Indonésia, Nigéria e Turquia.

Com cerca de 170 milhões de habitantes, a Nigéria é disparadamente a mais populosa nação africana. E, com um crescimento em torno de 7% ao ano, aspira ultrapassar a África do Sul como maior economia do continente.

Várias multinacionais já estão há anos instaladas na Nigéria. A fabricante de bebidas Diageo, por exemplo, vende mais cerveja Guinness na Nigéria do que na Irlanda, país de origem da marca. A rede sul-africana de supermercados Shoprite já tem sete lojas na Nigéria e planeja abrir centenas de outras.

No setor de brinquedos, o espaço para crescimento também é evidente. Entre 2006 e 2011, esse mercado teve um aumento de 1% ao ano nos países em desenvolvimento, enquanto nas nações emergentes a cifra foi de 13%. No caso específico da Nigéria, a mentalidade consumista ainda engatinha, e isso representa uma oportunidade para os empreendedores.

A Mattel há décadas vende bonecas negras, mas uma porta-voz disse que sua presença na África Subsaariana é "muito limitada" e que a empresa "não tem neste momento planos de expansão nesta área para compartilhar".

As companhias estrangeiras, de fato, têm boas razões para verem a Nigéria com cautela. Apesar da expressiva taxa de natalidade, dois terços das crianças nigerianas nascem em famílias sem condições de consumirem brinquedos. As multinacionais também citam a má infraestrutura e a corrupção das autoridades portuárias como motivos para evitar o país.

As bonecas de Okoya custam a partir de 1.300 nairas, podendo chegar a 3.500 nairas (US$ 22) no caso de uma edição especial das "Rainhas". A margem de lucro do empresário é de cerca de um terço, e, além das vendas internas, ele cada vez mais exporta para os EUA e a Europa.

Okoya agora planeja lançar bonecas alusivas a outros grupos étnicos africanos, e negocia com a rede sul-africana Game, subsidiária do Wal-Mart, para colocar seu produto em 70 lojas do continente.

Como as Barbies, as bonecas de Okoya são esbeltas, um padrão de beleza ocidental que é abominado pela maioria dos africanos adultos. Okoya disse que seus primeiros protótipos eram mais "cheinhos", mas que as crianças rejeitaram. Ele, no entanto, ainda espera mudar isso.

"Por enquanto, precisamos nos esconder atrás da boneca 'normal'. Quando tivermos construído a marca, poderemos fazer bonecas com corpos maiores."

___________________________________________________________________________________

Mundo  I  Protesto em frente à Casa Branca pede fechamento de Guantánamo    (11/01/14)

Grupo quer que Obama cumpra promessa de desativar prisão em Cuba.
Neste sábado (11), faz 12 anos que primeiros detidos chegaram ao lugar.

Manifestantes com macacões laranja de presidiários e capuzes pretos seguram faixa que pede ‘Fechem Guantánamo’, em frente à Casa Branca, em Washington D.C., neste sábado (11) (Foto: Nicholas Kamm/AFP)

Um grupo de manifestantes vestidos com macacões laranja de presidiários e capuzes pretos protestaram neste sábado (11) em frente à Casa Branca, residência oficial do presidente americano, em Washington D.C., para pedir o fechamento de Guantánamo, controversa prisão militar mantida pelos EUA em Cuba.

Os ativistas querem que o presidente democrata Barack Obama cumpra sua promessa de desativar o presídio, feita em 2008 e reforçada no ano passado. Neste sábado, faz 12 anos que os primeiros detidos chegaram a Guantánamo, por decisão do ex-presidente republicano George W. Bush.

No ano passado, cerca de cem presos suspeitos de atividades terroristas fizeram greve de fome em Guantánamo. Alguns chegaram a ser alimentados à força. O protesto começou no dia 6 de fevereiro – quando presos avaliaram que a inspeção de alguns exemplares do Alcorão era uma "profanação religiosa" – e se arrastou por vários meses. Segundo os advogados de defesa dos detentos, a greve de fome também era uma forma de criticar a prisão ilimitada feita no local, sem acusação formal nem julgamento.

Na época, um relatório independente elaborado pela organização Constitution Project condenou a "alimentação forçada" dos presos, considerando que se tratava de "uma forma de abuso a que se deve pôr fim".

No dia 13 de abril do ano passado, cerca de 60 detidos foram transferidos de celas comuns do Campo 6 para celas individuais, após a intervenção de guardas militares que reprimiram uma revolta interna com armas não letais.

Guantánamo foi aberto em 2002 por Bush, antecessor de Obama, para abrigar estrangeiros suspeitos de terrorismo, após os atentados do 11 de setembro de 2001.

Ativista vestido de presidiário de Guantánamo traz frase 'Pronto para libertação'; ao lado, foto de jovem de 17 anos levado para a prisão em Cuba (Foto: Nicholas Kamm/AFP)Ativista vestido de presidiário de Guantánamo traz frase 'Pronto para libertação'; ao lado, foto do jovem Fahd Ghazy, levado aos 17 anos para a prisão em Cuba (Foto: Nicholas Kamm/AFP)
Cartaz em árabe também pede o fechamento de Guantánamo (Foto: Nicholas Kamm/AFP)Faixa em árabe também pede o fechamento de Guantánamo, em Cuba (Foto: Nicholas Kamm/AFP)
Mulher segura cartaz em que lembra promessa de 2008 feita pelo presidente Obama (Foto: Nicholas Kamm/AFP)Mulher segura cartaz em que lembra promessa de 2008 feita por Barack Obama (Foto: Nicholas Kamm/AFP)
'Investiguem e processem a tortura dos EUA', diz cartaz exibido no protesto (Foto: Nicholas Kamm/AFP)'Investiguem e processem a tortura dos EUA', diz cartaz exibido durante o protesto (Foto: Nicholas Kamm/AFP)

________________________________________________________________________________

Mundo I Barbudo, Arnold Schwarzenegger lança o filme “Rota de fuga”, em Nova York    (16/10/13)

Barbudo, Arnold Schwarzenegger lançou o filme “Rota de fuga”, em Nova York, nos Estados Unidos. O ator, que divide a cena com Sylvester Stallone no longa, esteve na première realizada nesta terça-feira, 15. O rapper 50 Cent também marcou presença na pré-estreia.

Arnold Schwarzenegger em pré-estreia de filme em Nova York, nos Estados Unidos

Arnold Schwarzenegger sempre foi reconhecido pelo seu físico musculoso. Agora, aos 66 anos, o ator já mostra os sinais da idade mas o resultado de anos de treinos intensos ainda estão marcados em seu corpo. No final de setembro, Arnold fez uma parada para comprar seu almoço em Nova Orleans e exibiu as veias saltadas de seus braços.

Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger em pré-estreia

Arnold Schwarzenegger e 50 Cent em pré-estreia de filme em Nova York, nos Estados Unidos (Foto: Andrew Kelly/ Reuters)
Arnold Schwarzenegger e 50 Cent

________________________________________________________________________________

Mundo  I  Chinesas 'encalhadas' aos 27 anos lutam contra estigma     (24/02/13)

Mais de 27 anos? Solteira? Mulher? Na China, você poderia ser rotulada como "encalhada" pelo Estado - mas algumas mulheres chinesas nos dias de hoje estão felizes por serem solteiras.

Huang Yuanyuan trabalha até tarde na redação de uma estação de rádio em Pequim. Ela está nervosa com o fato de, no dia seguinte, fazer 29 anos.

"Assustador. Estou um ano mais velha", diz.

Por que?

"Porque ainda estou solteira. Não tenho namorado. Estou sob grande pressão para casar."

Huang é uma jovem bonita e confiante, com um bom salário, seu próprio apartamento, um mestrado em uma das melhores universidades chinesas e amigos ricos.

Apesar disso, ela sabe que mulheres solteiras, urbanas e instruídas como ela são chamadas de "encalhadas" na China - e isso incomoda.

Pode parecer estranho chamar mulheres de 27 ou 30 anos de "encalhadas", mas na China há uma antiga tradição de mulheres se casarem jovens.

No entanto, a idade com que as mulheres se casam vem aumentando, como costuma acontecer em lugares onde as mulheres atingem um nível mais alto de educação.

Em 1950, a idade média com que mulheres urbanas se casavam na China era abaixo de 20. Nos anos 1980, era de 25. Atualmente é em torno de 27.

Desequilíbrio

Huang se sente pressionada por seus amigos e sua família, e a mensagem também é repetida pela imprensa estatal chinesa.

Até mesmo o site da governista e supostamente feminista Federação Nacional da Mulher Chinesa trazia artigos sobre "mulheres encalhadas", até que várias reclamaram.

A imprensa estatal começou a disseminar esse termo em 2007. Naquele mesmo ano, o governo alertou que o desequilíbrio de gênero na China - causado por abortos seletivos, por causa política do filho único - era um problema grave.

"Essas garotas esperam continuar sua educação para aumentar sua competitividade. A tragédia é que elas não percebem que, à medida que as mulheres envelhecem, elas valem cada vez menos. Então, quando elas conquistam seu mestrado ou doutorado, elas já estão velhas - como pérolas amareladas", diz um trecho de um artigo cujo título é algo como "Mulheres encalhadas não merecem nossa simpatia", publicado no site da Federação Nacional da Mulher Chinesa em março de 2011.

Nos últimos meses, a federação retirou o termo de seu site, e agora se refere a mulheres solteiras "velhas" (classificação para as que têm mais de 27 anos ou, às vezes, mais de 30), mas o termo "encalhada" continua sendo amplamente usado em outros locais.

Segundo o escritório nacional de estatísticas da China, na faixa etária de menos de 30 anos, o número de homens supera o de mulheres em 20 milhões.

Dados do Censo na China mostram que cerca de uma em cada cinco mulheres com idades entre 25 e 29 anos são solteiras.

A proporção de homens solteiros nessa faixa etária é maior - mais de um terço. Mas isso não significa que eles terão facilidade em encontrar uma parceira, já que os homens chineses tendem a se casar com mulheres mais novas e com grau de educação menor.

"Há a opinião de que homens classe A vão encontrar mulheres classe B, homens classe B vão encontrar mulheres classe C, e homens classe C vão encontrar mulheres classe D", diz Huang Yuanyuan.

"Quem sobra são as mulheres classe A e os homens classe D. Então, se você é uma encalhada, você é classe A."

Qualidade

Mas são as mulheres "classe A", inteligentes e com alto nível de educação, que o governo quer ver tendo filhos, diz Leta Hong-Fincher, americana que faz seu doutorado em sociologia na Universidade de Tsinghua, em Pequim.

Ela cita uma declaração sobre população divulgada pelo Conselho de Estado da China em 2007.

"Dizia que a China enfrentava uma pressão populacional sem precedentes, e que no geral a qualidade da população é muito baixa, então o país precisa elevar a qualidade da população." Alguns governos locais da China começaram a organizar eventos nos quais mulheres jovens e de alto nível de instrução podem encontrar solteiros.

Mas a tendência de menosprezar mulheres de certa idade que não são casadas não é exclusivamente uma atitude promovida pelo governo.

Chen (o nome foi trocado a pedido da entrevistada), que trabalha para uma consultoria de investimentos, sabe disso muito bem.

Ela é solteira e aproveita a vida em Pequim, longe de seus pais, que vivem em uma cidade conservadora do sul do país e que, diz ela, têm vergonha de ter uma filha solteira de 38 anos. "Eles não querem que eu vá com eles a encontros sociais, porque não querem que os outros saibam que têm uma filha tão velha e ainda solteira", diz ela.

Os pais de Chen já tentaram arranjar encontros às escuras para ela. Seu pai chegou a ameaçar renegá-la caso ela não se casasse até o fim do ano. Agora eles dizem que, se ela não encontrar um homem, deve voltar para casa e morar com eles.

Chen sabe o que quer - alguém que seja "honesto e responsável" e boa companhia, ou simplesmente ninguém.

MARY KAY MAGISTAD
DA BBC

_______________________________________________________________________________

Tráfico Humano: “O Brasil é um dos maiores fornecedores de mulheres traficadas para bordéis espanhóis”      (10/02/13)

Durante um ano e meio, o jornalista Antonio Salas investigou o tráfico de mulheres e meninas na Espanha. Seu trabalho, convertido em livro e filme, serviu de base para a instauração de processos judiciais e condenação de criminosos.

Antonio Salas é o pseudônimo de um jornalista espanhol de 40 anos. Especialista em reportagens investigativas, ele vem fazendo sucesso como escritor e documentarista desde o início dos anos 2000. Provas colhidas por Salas, especialmente com o uso de câmera oculta, serviram de base para a instauração de processos judiciais e condenações de criminosos envolvidos, principalmente, com grupos neonazistas e traficantes de seres humanos. Entre os livros publicados pelo jornalista, estão: “Diario de un skin” (2003), “El año que trafiqué con mujeres” (2004) e “El palestino” (2010). A seguir, os principais trechos da entrevista concedida por Salas a Marie Claire Online.

Marie Claire - Por que você decidiu investigar o tráfico de mulheres e meninas?

Antonio Salas - Não houve nenhuma razão especial. Antes de me infiltrar, assim como todos os homens, eu tinha muitos preconceitos sobre o mundo da prostituição. Mas depois de um ano e meio vivendo no meio de mulheres e meninas que foram traficadas para exploração sexual, todos os meus preconceitos desmoronaram. Apesar de alguns de meus outros trabalhos – como a infiltração no terrorismo internacional e entre os skinheads – terem sido mais complexos, caros e perigosos, este foi o mais traumático. Talvez por isso aborde este assunto em meu próximo livro. Mas a partir de outro ângulo. A prostituição está por trás de todo o nosso sistema.

MC - Durante as investigações, você encontrou muitas brasileiras traficadas?

AS -  Muitas. O Brasil é um dos melhores fornecedores de mulheres traficadas para bordéis espanhóis. Assim como para os italianos, alemães, franceses ou ingleses. Em casos graves de prostituição, como o de Riviera e Saratoga, ou da Operação Carioca, a grande maioria das mulheres prostituídas era brasileira. Andrea, a primeira garota que secretamente ajudei a escapar de uma boate pertencente à ANELA, a infame federação espanhola de bordéis, era uma modelo de São Paulo.
MC - Por que considera esse o seu trabalho mais traumático?

AS - Confesso que me sinto envergonhado de ter procurado ficar amigo de prostitutas para que elas me apresentassem seus cafetões. Cheguei mais longe do que esperava. Hoje, no entanto, posso dizer que a maioria das minhas melhores amigas foi prostituta. Conheci suas histórias mais íntimas e pessoais, como quando e por que entraram na prostituição. Todas as histórias que conheci são brutais, terríveis e autodestrutivas. Conheci centenas de prostitutas, de acompanhantes de luxo às de rua, e vi que o que as diferencia basicamente é o preço que cobram. Por trás da prostituição, cada uma delas tem uma história pessoal brutal.

À esquerda, imagem do filme inspirado em uma obra de Salas. À direita, Edith Napoleon, a prostituta nigeriana assassinada (Foto: Reprodução)

MC - Como foi a infiltração?

AS - Primeiro fiz um treino teórico exaustivo, li muito e participei de conferências e cursos sobre tráfico de seres humanos. Também fui à polícia, conversei com feministas e associações de apoio a prostitutas. Depois veio a parte mais difícil: criar a identidade de um dono de bordel de Marbella e Bilbao que procurava meninas para trabalhar.

MC - Quanto tempo passou infiltrado?

AS - Cerca de um ano e meio. Em seguida, forneci as provas que recolhi para a polícia, que fez algumas prisões. Poder estar presente e registrar a captura de pessoas como o cafetão e pugilista nigeriano Prince Sonny e toda a rede que ele liderava em Múrcia foi uma gratificação a mais que obtive neste trabalho.

MC - Você chegou a traficar mulheres e meninas?

AS - Este era o meu disfarce. Um “honesto empresário” dono de dois bordéis que buscava mulheres e meninas. Cheguei a negociar a compra de uma romena por 8 mil euros na Galícia, de uma nigeriana e seu filho de 2 anos por 17 mil dólares em Múrcia e até mesmo de meninas virgens mexicanas em Madrid, por 21 mil dólares cada. Se antes disso alguém tivesse me dito que na Espanha é possível comprar e vender mulheres e meninas para exploração sexual eu não teria acreditado. Se eu não filmasse minhas infiltrações, compreenderia caso as pessoas não acreditassem em mim.

SALAS GRAVOU AS NEGOCIAÇÕES QUE FEZ DURANTE A INVESTIGAÇÃO (Foto: Reprodução)

MC - Essas negociações foram concluídas?

AS - Não. Gravei as negociações, mas não efetivei as compras. Jornalistas investigativos, que fazem infiltrações como eu, podem chegar a um limite legal. Se eu ultrapassasse este limite, não poderia denunciar os crimes.

MC - Os traficantes suspeitaram quando você não efetivou os negócios?

AS - Percebi que era hora de terminar esta infiltração quando, durante um encontro, um traficante disparou uma pistola 9mm e uma bala me atingiu de raspão. Vi que estava abusando da sorte, que era hora de parar e escrever o livro.

MC - Foi ameaçado de morte?

AS - Isto é inerente a este tipo de jornalismo. Não se pode participar de um julgamento, como testemunha protegida pela acusação e achar que os condenados ficarão agradecidos. Ameaças de morte são constantes. De qualquer forma, um jornalista nunca se acostuma com isso. A última que recebi foi há alguns dias e partiu de grupos armados bolivarianos partidários de Hugo Chávez. Eles me condenaram à morte por causa da publicação de “O Palestino”. Durante as últimas eleições na Venezuela, o comandante dos Tupamaros, que é muito próximo das FARC e do ETA, voltou a ratificar minha sentença de morte na imprensa latino-americana.

SALAS FINANCIA SUAS INVESTIGAÇÕES COM A VENDA DE SEUS LIVROS (Foto: Reprodução)

MC - Como funcionam as redes de tráfico?

AS - A maioria das meninas é aliciada em seus países de origem. Locais com poucos recursos ou que tenham passado por graves crises econômicas – como Nigéria, Brasil, Romênia, Argentina, Marrocos e Bolívia – são grandes celeiros para os traficantes. Eles se oferecem para pagar passagem e estadia. Em troca, elas assumem uma dívida que vai de 3 mil a 6 mil euros. Só quando chegam à Espanha, descobrem que devem pagar outras despesas, como alimentação e vestuário. Isso faz com que a dívida, em vez de diminuir, só aumente. Elas também são obrigadas a pagar, por exemplo, multas quando chegam atrasadas à boate ou por se recusar a atender um ciente. Os três meses de visto expiram, elas se tornam imigrantes ilegais e ficam totalmente nas mãos de cafetões. Ocorrem espancamentos, extorsões e chantagens. Ou seja: elas entram na prostituição, mas nunca conseguem sair.

MC - As mulheres acham que vão trabalhar em algo que não seja a prostituição?

AS - A maioria sabe no que vai trabalhar, mas acredita que na Europa dinheiro nasce em árvore e que em poucas semanas poderão quitar a dívida com os traficantes e começar a mandar dinheiro para a família. Quando a mulher não sabe que o trabalho que a espera não tem nada a ver com o de dançarina, garçonete ou empregada domésticas, como lhe haviam prometido, é muito mais traumático. Blanca, uma romena que conheci, acreditava que trabalharia como dançarina. Quando entrou na boate, os cafetões disseram que guardariam seu passaporte para que não o perdesse. Ela percebeu do que se tratava e fugiu pulando a janela. Mas não conhecia ninguém, não falava espanhol e não tinha um euro. Passou semanas nas ruas, pegando comida do lixo e dormindo em parques. Quando a fome e o frio apertaram demais, ela voltou para a boate. Resignou-se.

MC - Como elas são forçadas a se prostituir?

AS - É necessário fazer uma distinção entre as espanholas, que vivem legalmente, e as estrangeiras, que representam mais de 90% das prostitutas que atuam na Espanha. Antes da crise, período em que estive infiltrado, as espanholas entravam na prostituição por causa de algum vício, depois de sofrer um trauma, desilusão amorosa ou de tentar suicídio. Autodestruição quase sempre está presente nesses casos. Com as mulheres traficadas, há fatores extras. Muitos deixam filhos em seus países de origem e todas têm família. Acreditam que a Europa é um paraíso onde ganharão muito dinheiro e poderão ajudar os parentes com seu sacrifício. A realidade, no entanto, é que elas não sabiam o que as esperava.

O JORNALISTA INVESTIGOU A FUNDO O TRÁFICO DE PESSOAS (Foto: Reprodução)

MC - Por que não denunciam os traficantes?

AS - Primeiro por medo. O medo é a ferramenta de trabalho dos cafetões. Os nigerianos utilizam vodu, os do Leste costumam espancá-las e os latino-americanos fazem extorsão. Todas sabem que suas famílias – filhos, pais, irmãos e etc. – são a garantia de que pagarão a dívida e não denunciarão os criminosos. Elas também não denunciam por vergonha. Prostitutas vivem num mundo de mentiras e segredos, dispostas a fazer qualquer coisa para que suas famílias não descubram o que realmente fazem na Espanha. Esse medo as acompanha durante a vida toda. Tenho amigas que, mesmo anos depois de terem deixado a prostituição, foram extorquidas e chantageadas p ara não terem o passado revelado a vizinhos ou familiares.

MC - Traficantes de pessoas geralmente estão envolvidos com outros crimes?

AS - Estão. Todos os cafetões que conheci participavam de outros delitos relacionados ao crime organizado. Da corrupção política ao narcotráfico, passando por golpes imobiliários, falsificação de dinheiro e tráfico de armas e de drogas. No final, todo mundo acaba comemorando seus negócios em um bordel. Fornecedores de mulheres para políticos, empresários e criminosos endinheirados terminam estreitando laços e entram no negócio.

MC - Qual é o perfil dos traficantes?

AS - A maior parte dos traficantes é homem. Há grandes e complexas organizações. Mas também existem muitas quadrilhas compostas por três ou quatro amigos que traficam pequenos grupos de mulheres e meninas, as exploram durante anos antes de aliciar outras vítimas. O mais terrível foi ter conhecido muitas mulheres que foram prostituídas e depois entraram no negócio aliciando primas, amigas e vizinhas.

Contrato de matrimônio de conveniência para legalizar a situação das traficadas (Foto: Reprodução)

MC - Por que é tão difícil investigar o tráfico humano?

AS - Porque a prostituição é uma modalidade de crime organizado socialmente aceita. Ainda existem idiotas que dizem que a prostituição é a profissão mais antiga do mundo. Os clientes que pagam por esse serviço também são culpados pelo tráfico de mulheres e meninas. Por outro lado, a crise econômica fez com que milhares de espanholas e mulheres de outros países europeus recorressem à prostituição por desespero e falta de recursos. Tanto que o número de anúncios de prostitutas nos jornais espanhóis se multiplicou. Há muito mais mulheres prostituídas agora do que antes. Algo, obviamente, comemorado pelos clientes.

MC - Seu trabalho teve impacto na vida das vítimas?

AS - Depois de fazer um documentário para a TV com as gravações obtidas com câmera oculta e de publicar o livro, recebi cartas de dezenas e dezenas de mulheres que decidiram abandonar a prostituição. Claro que essas cartas foram escritas por espanholas que tinham poder de escolha. Antes da crise, 94% das mulheres prostituídas na Espanha eram estrangeiras e foram traficadas. Não tinham, portanto, opção. De todo modo, acho que o mais importante foi ter recebido dezenas de cartas de homens dizendo que não recorreriam mais a prostitutas.

MC - Quais histórias te impressionaram mais?

AS - Difícil dizer. Uma delas foi a de Suzy, uma nigeriana de 21 anos que Prince Sonny tentou me vender em Múrcia, junto com o filho de 2 anos. Como todas as nigerianas, Suzy chegou à Espanha pela rota terrestre. Cruzou o Saara a pé, viu muitas colegas morrerem até chegar ao Marrocos. Depois entrou de barco na Espanha. Outra foi a de Blanca, uma romena grávida de 8 meses que trabalhava numa boate em Zaragoza e dizia nunca ter atendido tantos clientes antes. Ou Priscilla, uma bela polonesa, que vi posteriormente em programas de celebridades na TV. Ou Lara, outra romena, que acabou matando seu cafetão. Ou Edit, nigeriana que foi esquartejada por um cliente. Ou Maria, a primeira espanhola que escreveu para me dizer que deixou a prostituição depois de ler meu livro. Essa menina me fez pensar que todo medo, angústia e solidão que vivi valeram à pena. Algumas dessas histórias estão no filme baseado no meu livro e também no documentário.

Contrato de prostitutas nigerianas que cedem sua vida para os traficantes (Foto: Reprodução)

MC - Quem financia suas investigações?

AS - Meus leitores, por isso eles são as únicas pessoas a quem devo fidelidade. “Diário de um skin” foi o livro de não-ficção mais vendido em 2002, o que me permitiu total independência para financiar a investigação sobre a escravidão branca. O livro sobre tráfico de mulheres financiou a pesquisa sobre terrorismo internacional. E os ingressos de “O Palestino” financiaram a investigação que estou terminando agora. Isto me permite ter independência e liberdades absolutas.

MC - O que investiga atualmente?

AS - Seria pouco prudente dar pistas antes de a investigação ser concluída. Mas posso dizer que está relacionada à fonte de todos os problemas que estamos enfrentando atualmente: a corrupção. MC

_______________________________________________________________________________

Morre aos 80 anos, vítima de pneumonia,  Nagisa Oshima, diretor de "O Império dos Sentidos"   (15/01/13)

O japonês Nagisa Oshima, diretor do clássico "O Império dos Sentidos" (1976), morreu aos 80 anos vítima de pneumonia, informou a rede de televisão japonesa NHK nesta terça-feira.

Oshima também dirigiu "Furyo - Em Nome da Honra" (1983), seu único filme em inglês, no qual o cantor britânico David Bowie interpreta um prisioneiro em um campo de concentração no Japão. O músico Ryuchi Sakamoto também está no elenco do longa.

Nascido em Kyoto, Oshima cursou história na universidade da cidade e trabalhou como crítico de cinema antes de começar a ser diretor. Nos anos 1960, se rebelou contra as tendências cinematográficas da época e foi um dos principais nomes da chamada "nova onda" do cinema japonês.

"O Império dos Sentidos" é um de seus filmes mais polêmicos e foi censurado em muitos países pelas fortes cenas de sexo e violência. O longa foi produzido pelo também diretor Koji Wakamatsu, que morreu em outubro, aos 76 anos, em um acidente de trânsito.

O último trabalho de Oshima é "Tabu", lançado em 1999, três anos após o diretor ter sofrido um derrame.

Cena de 'Império dos Sentido

_______________________________________________________________________________

Reforma de sucessão ao trono britânico gera preocupações   (12/01/13)

O filho do príncipe William e de sua esposa, Catherine, ainda não nasceu, mas as novas regras de sucessão que serão aplicadas a este futuro herdeiro (ou herdeira) do trono suscitam certa preocupação entre o 'establishment' britânico.

O príncipe Charles expressou nesta semana suas inquietudes, compartilhadas pela hierarquia eclesiástica e membros da Câmara dos Lordes, sobre as consequências da nova legislação para a monarquia e para a Igreja Anglicana.

Segundo a reforma que o Parlamento deve aprovar no dia 22 de janeiro, o primogênito dos duques de Cambridge, independentemente de seu sexo, será o herdeiro direto de seu pai. De acordo com a norma ainda vigente, uma menina deve dar seu posto a filhos homens e só poderá reinar se não tiver nenhum irmão, como Elizabeth II.

Com a mesma vontade de igualdade, a rainha anunciou recentemente que todos os filhos do casal receberão o título de príncipe ou princesa, e não apenas o primogênito homem.

A mudança dessas regras seculares sobre a sucessão foi adotada pelos dirigentes da Comunidade Britânica de Nações em outubro de 2011, bem antes do anúncio da gravidez de Kate, em dezembro do ano passado.

Contudo, muitos ainda estão receosos com a aproximação da votação no Parlamento sobre essa reforma, que conta com um forte apoio popular e dos principais partidos.

A principal preocupação gira em torno da possibilidade, prevista na reforma, de que um herdeiro da coroa se case com um católico.

Por ora, os sucessores que se casam com católicos devem renunciar a seus direitos ao trono. A proibição remonta a 1701, e não havia nenhuma regra prevista para as outras religiões, como o judaísmo ou o islamismo.

O problema está na possibilidade que a mudança traz para que uma criança criada no catolicismo ascenda ao trono. Isso ainda é proibido, porque o monarca é o "governador supremo" da Igreja Anglicana e "defensor da fé".

Amigos do príncipe Charles indicaram ao Daily Mail nesta semana que o herdeiro do trono e pai de William temia que o governo não tivesse considerado todas as implicações dessa nova legislação e seus efeitos sobre as relações entre o Estado e a igreja oficial.

O primeiro-ministro, David Cameron, negou que haja algum problema, garantindo na quarta-feira aos deputados que a mudança foi "regulamentada e endossada" em "estreita relação" com o palácio de Buckingham.

Contudo, o príncipe Charles não é o único preocupado. Um antigo arcebispo de Canterbury, Lord George Carey, também alertou sobre as "propostas que podem alterar o delicado equilíbrio constitucional".

Os membros da Câmara dos Lordes, a câmara alta do Parlamento, questionaram nesta semana o vice-primeiro ministro Nick Clegg sobre a pressa do governo em adotar a reforma com um único dia de debate sobre o tema.

Lord Peter Goldsmith, ex-assessor legal do governo trabalhista de Tony Blair, destacou que mudar leis seculares é uma "decisão transcendental" e considerou "preocupante" tal urgência.

"Se o tema do (papel do monarca como) defensor da fé é questionado, isso leva à pergunta se a Igreja Anglicana deve ser privada de seu estatuto oficial", alertou um de seus colegas conservadores, Lord Ian Lang.

__________________________________________________________________________________

Integrantes do Femen procuram brasileiras de peito aberto   (05/08/12)

De saia até o joelho, meia-calça, salto alto e blazer, Bruna, 21, analisa processos num escritório em São Paulo, onde faz estágio em direito. Até o domingo passado, o traje social e o olhar sério a colocavam na condição de "funcionária padrão".

As ativistas do movimento Femen no Brasil, Sara Winter e Bruna Themis, realizam na avenida Paulista protesto contra proibição do parto em casa

Foi quando imagens dela em plena avenida Paulista, só de calcinha, com os peitos de fora e as inscrições "violação, não" no corpo, chegaram aos jornais, sites e canais de TV, deixando os colegas de trabalho boquiabertos.

Bruna Themis (codinome adotado por ela) é a mais nova integrante do Femen, grupo nascido na Ucrânia e espalhado pela Europa que tem, desde junho, uma "filial" no Brasil.

As ativistas do movimento Femen no Brasil, Sara Winter e Bruna Themis, realizam protesto contra proibição do parto em casa, na avenida Paulista

Numa espécie de "flash mob", elas tiram a roupa no meio da rua para denunciar turismo sexual e defender causas como a liberdade para fazer aborto --ativismo conhecido como neofeminismo, no qual se usa o corpo como forma de protesto.

A fundadora do movimento no país, Sara Winter (sobrenome também fictício), 20, e Bruna andam atarefadas em busca de novas adeptas do movimento. Cerca de 20 voluntárias de São Paulo, Rio e Minas Gerais estão sendo entrevistadas.

Além do engajamento nas causas, é necessário o principal: coragem para fazer topless sem se incomodar com olhares repressores. A maioria das interessadas é jovem, como elas, na casa dos 20.

O ato na Paulista também contou com uma nova integrante do grupo, Carla Zambelli (dir.), que está grávida de 2 meses

Rodaram o mundo as cenas de loiras ucranianas bonitonas que tentaram invadir estádios de futebol durante os jogos da Eurocopa em Kiev.

Sara estava no grupo, a convite de Inna Shevchenko, uma das mais antigas ativistas do Femen --criado em 2008 por Anna Hutsol. "Foi uma prova de fogo. Fiquei detida quase um dia inteiro numa delegacia até assinar documentos e ser liberada", conta Sara.

A repressão vista na Europa --lá, as meninas do Femen são treinadas até para se defender de policiais- não se repetiu domingo no protesto da entidade no Brasil.

Até agora, nenhuma das jovens ganha nada da entidade, mas está previsto que a partir do mês que vem deve haver uma ajuda de custo de US$ 350 por mês para Sara.

"O ideal é montarmos uma loja para a confecção de camisetas", afirma.

As ativistas do movimento Femen no Brasil, Sara Winter e Bruna Themis, realizam protesto contra proibição do parto em casa, na avenida Paulista

TESTE

Antes de ir à Ucrânia, a jovem teve de mostrar que tinha coragem de fazer topless.

Além de postar uma foto seminua na rede social Facebook, fez um protesto solitário em São Carlos, no interior paulista, sua cidade natal. E, é claro, de peito aberto.

Já a novata Bruna conseguiu pular as etapas e foi logo às ruas após ser entrevistada por Sara.

"Criei coragem e fui direto. Tive medo, mas depois foi a minha libertação", diz.

GIBA BERGAMIM JR.
DE SÃO PAULO

___________________________________________________________________________________

Atriz Sherlyn Chopra de Bollywood é a primeira hindu a posar na 'Playboy'   (29/04/12)

Sherlyn Chopra, 28 anos, tornou-se a primeira adepta da religião hindu a posar para a Playboy. O ensaio da atriz - que não está sendo visto com bons olhos por produtores da indústria cinematográfica indiana - sairá na edição de novembro da publicação norte-americana. As informações são do La Vanguardia.

Sherlyn ficou conhecida em Bollywood com filmes como Time Pass e Red Swastik o Game. Ela também foi a apresentadora do 55th Filmfare Awards, prêmio equivalente ao Oscar das produções do País. Recentemente, ela foi vista visitando a mansão do magnata da revista, Hugh Hefner.

_______________________________________________________________________________

Lady Gaga sofre protestos de religiosos  na Coreia do Sul   (23/04/12)

Em turnê pela Ásia, a cantora Lady Gaga está sofrendo protestos na Coreia do Sul. Religiosos pedem o cancelamento da apresentação da norte-americana naquele país, marcada para acontecer na próxima sexta-feira (27 de abril).

O show de Lady Gaga na Coreia do Sul foi proibido para menores de 18 anos, depois que um ministro do país considerou uma de suas canções "imprópria para adolescentes".

_______________________________________________________________________________

Obama não seria presidente sem Michelle, diz a jornalista do New York Times Jodi Kantor  (22/01/12)

A jornalista Jodi Kantor escreveu a biografia "The Obamas: A Mission, a Marriage" (os Obamas: uma missão, um casamento). Em entrevista, fala sobre a introspecção do presidente, a força de Michelle e as manchas que os Bush deixaram na Casa Branca.

Pergunta: Uma das coisas que ficamos sabendo por seu livro é que Michelle Obama possui um par de tênis de grife de US$515. Jodi Kantor: Eu sei! É surpreendente, de certo modo.

O que infunde vida a qualquer reportagem são detalhes reveladores desse tipo. Até que ponto foi difícil para você conseguir esse tipo de acesso à Casa Branca? Bem, passei muito tempo na Casa Branca nas áreas públicas, que jornalistas são autorizados a frequentar, mas conversei com pessoas sobre os aposentos particulares, também. Algumas das coisas que fiquei sabendo eram detalhes pequenos, do tipo que aparece em um romance. Por exemplo, o fato de que, quando os Obama se mudaram para a Casa Branca, ainda havia manchas nos tapetes deixadas pelos gatos dos Bush. Sinto que a Casa Branca é quase um personagem neste livro. O que significa morar nesse lugar? É uma residência, mas também é um escritório, um complexo militar e, por falar nisso, um alvo de terroristas.

Achei interessante o fato de não haver entrada ou saída privadas para a família. Eu estava na Casa Branca alguns meses atrás, em pé na Sala Diplomática, e Sasha (a filha mais jovem dos Obama) apareceu com sua avó. Ela estava chegando da escola, e os funcionários apenas sorriram e fizeram gestos de assentimento com a cabeça, mas eu fiquei um pouco constrangida pelo fato de ela ser obrigada a passar ao lado de uma repórter para chegar em casa. Deve ter sido um pouco incômodo.

No livro, você toma o cuidado de não declarar uma opinião pessoal dos Obama. Mas com quem você preferiria ficar presa em um elevador --Barack ou Michelle? Acho os Obama incrivelmente envolventes, porque os venho cobrindo há cinco anos. Não se trata tanto de gostar ou não gostar deles quanto de acompanhar o drama da história.

O presidente Obama é tão carismático quanto todo o mundo diz que é? Em Washington, ele é visto como bastante introvertido. Alguns dias depois de tornar-se presidente ele promoveu uma festa no Superbowl. Ele cumprimentou todas as pessoas educadamente, mas, basicamente, queria assistir à partida como normalmente. Ele me disse mais tarde que se orgulhava de não ser um político que fica em pé, apertando as mãos de todos. Isso não vem agradando a muitos em Washington, porque os presidentes geralmente são pessoas que gostam de jogar conversa fora, e ele não é. Muitas pessoas acham que é Michelle Obama quem tem o carisma.

Michelle, Malia, Barack Obama e Sasha

Um dos capítulos mais interessantes de seu livro trata do desconforto que os Obama enfrentaram quando se deram conta de que a maior parte dos funcionários na Casa Branca é de origem afro-americana. A estadia deles na Casa Branca melhorou as relações raciais nos Estados Unidos? Ainda é muito cedo para dizer. Quando escrevi o livro, senti que a resposta a essa pergunta ainda está fora de nosso alcance. A questão que eu foquei foi a seguinte: qual é a experiência cotidiana de ser o primeiro presidente e primeira-dama afro-americanos? Por exemplo, quando chegou o convite para Michelle Obama sair na capa da "Vogue", os assessores dela se dividiram por raça. Os assessores afro-americanos queriam muito que ela saísse na capa, porque não muitos afro-americanos vistos como exemplos a seguir o haviam feito. Já os assessores brancos, por outro lado, adotaram postura de muito mais cautela, porque o país passava por enormes dificuldades econômicas e a "Vogue" é uma revista puramente de luxo _o preço nas bancas é algo como US$5. Michelle Obama optou por fazer a capa, e ouviram-se muito poucas críticas. Para mim, esse é um pequeno vislumbre do mosaico real de tudo o que vem acontecendo.

Os Obama já leram o livro? Não sei. Não tive um retorno.

Você diz nos agradecimentos que se tornou repórter política do "New York Times" ao mesmo tempo em que virou mãe. Alguma vez você deve dificuldade em equilibrar os dois papéis? Houve um momento na campanha de 2008 em que um assessor de Obama me telefonou para gritar comigo. Era 19h, e eu tinha acabado de chegar em casa. Minha filha tinha uns 2 anos e estava sentada no meu colo. Ela pegou o celular e começou a cantar a canção de Barney: "I love you, you love me. We're as happy as can be" (eu amo você, você me ama. Estamos felizes da vida). Foi surreal e espantoso da parte dele. De certo modo, foi a melhor coisa a ter dito a um assessor de campanha hiperansioso.

Seu livro deixa claro que os Obama têm personalidades diferentes _você diz que ele é mais cerebral, tem dificuldade em conectar-se com o público, enquanto ela é mais calorosa e mais arrojada. Você acha que são as diferenças, mais que as semelhanças, que fazem o casamento deles funcionar? Sem dúvida. Acho que ele não seria presidente sem Michelle Obama, porque é ela quem o liga às outras pessoas.

Um casamento pode realmente ser uma união entre iguais, quando um dos parceiros é o líder do mundo livre? A resposta a isso está no livro. Por um lado, Michelle Obama chega à Casa Branca e de fato tem que exercer um papel secundário em um cargo que não está bem definido. Mas eu a observei encontrando maneiras de afirmar seu poder. Esta é a história de uma mulher que, no início, foi colocada num papel muito secundário. O desafio dela é encontrar maneiras de ser poderosa. Na Casa Branca, ela passa de não deter muito poder para a situação de exercer tanta alavancagem interna, pelo fato de ser muito mais popular que ele.

Você enxerga paralelos entre seu próprio casamento e a parceria dos Obama? Acho que há coisas que descobri relativas aos Obama que penso que realmente são universais no casamento. Em meu trabalho de repórter, achei muito interessante que os períodos de maior dificuldade dos dois Obama na Casa Branca aparentemente quase nunca coincidiam. Quando um estava para baixo, o outro segurava as pontas. Em minha experiência, isso se aplica ao casamento de modo geral. Ocorre alguma delegação emocional do poder.

Você acha que Obama será presidente de um só mandato, como alguns estão dizendo? Aprendi que os melhores repórteres políticos nunca fazem previsões! Acho que a pergunta que eu tenho a fazer é se Obama possui a capacidade de se reiniciar... de reformular a ideia do porquê ele quer ser presidente, porque a fórmula de 2008 não funciona mais. Ele precisa apresentar uma visão nova, convincente e realista para o país.

Você conheceu Bo, o cão da Casa Branca? Sim. É muito mais fácil conseguir uma "entrevista" com Bo que com os Obama. Ele se torna uma espécie de substituto, porque anda para lá e para cá pelos corredores da Casa Branca, o tempo todo. Ele é o embaixador perfeito dos Obama, porque você pode esfregar Bo por inteiro e ele adora, enquanto os Obama gostam de se proteger.

Tradução de Clara Allain

ELIZABETH DAY

DO "GUARDIAN"

______________________________________________________________________________

De topless, feministas de grupo da Ucrânia Femen protestam na Bulgária  (21/01/12)

De topless, ativistas do grupo feminista da Ucrânia Femen fazem topless com cartazes em que se lê "mulheres não são um saco de pancada", "prisão para os estupradores" e "greve contra a violência".

O protesto foi feito contra a justiça da Bulgária sobre casos de violência doméstica contra as mulheres e crianças e contra o tráfico de seres humanos em frente do prédio da Parlamento da Bulgária, em Sofia.

_______________________________________________________________________________

Me N Ma Girls I Primeira banda feminina de Mianmar desafia censura e pais  (08/01/12)

Com coreografia sensual e trajes provocantes, a primeira banda de garotas de Mianmar desafia os limites de aceitabilidade artística nesse país socialmente conservador.

Mas quando seus pais ligam, perguntando por que elas não estão em casa às 22h, as cinco integrantes da banda voltam a se comportar como filhas exemplares.

"Estamos vivendo duas vidas diferentes", disse Lung Sitt Ja Moon, que é mais conhecida pelo apelido Ah Moon e é filha de um pastor batista. "Nós fazemos o que queremos no palco e depois voltamos para a casa dos nossos pais."

A banda chama-se Me N Ma Girls, um jogo de palavras que significa "Eu e Minhas Amigas". Elas vão contra pais conservadores, a censura do governo e namorados que pensam que ser escandaloso que subam ao palco vestindo roupas tão provocantes.

"Tentamos o nosso melhor para chamar a atenção, mas não de uma maneira sexy demais", disse Wai Hnin Khaing, outra integrante da banda.

Mianmar está saindo de anos de um regime militar ditatorial. Há rumores de que a censura que proíbe músicas, artigos e filmes será abolida. À medida que o país começa a se expor mais à Ásia, politicamente e culturalmente, a arte e as roupas tradicionais incentivadas pelo governo estão sendo substituídas aos poucos pelo estilo de vida ocidental.

"As pessoas pensam que se uma garota usa roupas muito sensuais, ela não é normal", disse Ah Moon, cujo pai ainda não consegue aceitar muito bem a sua escolha de carreira. "Elas acham que é uma menina má."

As integrantes do Me N Ma Girls, todas na casa dos 20 anos de idade, muitas vezes vão para os ensaios vestindo trajes tradicionais. Os shorts jeans e tops que usam para ensaiar certamente causariam olhares de reprovação nas ruas de Yangon.

As integrantes da banda não se enxergam como rebeldes. Todas as cinco têm formação universitária: Química, Zoologia, Matemática, Russo e Ciências da Computação. Mas elas falam com uma geração mais jovem de Mianmar, especialmente de áreas urbanas, que abraçam a cultura pop ocidental, embora à sua própria maneira.

 

Componentes do grupo Me N Ma Girls descansam na piscina durante uma pausa nas gravações de um video

 

Me N Ma Girls lançou seu primeiro álbum no mês passado e foi aumentando sua popularidade dentro do país com uma série de concertos em Yangon nas últimas semanas.

A banda é criação de uma dançarina australiana e designer gráfica, Nicole May, que chegou a Mianmar há três anos e juntou-se ao birmanês Moe Kyaw. Ele inicialmente financiou o projeto.

May escolheu cinco mulheres entre 120 candidatas que responderam a um anúncio para participar de uma banda que se chamaria Tiger Girls. "Eu queria cinco meninas que fossem cheias de energia e magnetismo", disse.

Mas as vencedoras não tinham o visual sul-coreano que Moe Kyaw queria, de pele clara com os corpos esguios como os de manequins em uma vitrine. "Eu estava cético", disse. "Se você me perguntasse se eu achava que elas tinham a aparência de uma banda de meninas que seria bem sucedida, eu diria que não."

Moe Kyaw disse que acabou cedendo porque achava que as meninas eram talentosas e que o visual delas não era a única coisa importante. "Isso foi na época da Susan Boyle", disse, recordando o jeito pouco atraente da cantora escocesa cujo ótimo desempenho em um show de talentos britânico foi amplamente bem aceita.

Mas aí ele mudou de ideia. Um ano atrás, os sócios se separaram. As meninas seguiram May e mudaram o nome da banda para Me N Ma Girls.

A ideia de uma banda composta apenas por meninas ainda é nova por aqui, disse Heather MacLachlan, professora de Música da Universidade de Dayton e autora de um livro publicado recentemente sobre a indústria musical da região.

A banda canta sobre amor e corações partidos, situações entre meninos e meninas que podem ser bem vistas em outras culturas pop, mas não soam tão bem assim em uma sociedade na qual os filhos vivem com seus pais até que se casem.

No vídeo clipe de uma canção chamada Festival, as meninas aparecem dançando suadas em uma boate e mergulham em uma piscina. Elas usam óculos escuros enquanto cantam: "Ei, você! Você está feliz? Você quer um pouco disto?"

"Eu nunca vi meninas se comportarem assim. Nunca", MacLachlan escreveu, referindo-se às birmanesas.

Em outros países, os músicos pop abusam de drogas, são perseguidos por paparazzi, se envolvem em escândalos sexuais. O grupo Me N Ma Girls tem uma série de outros problemas. A luz acaba sempre no local onde ensaiam, existem vazamentos no telhado durante a época de chuvas. Os censores demonstraram várias objeções: a banda foi impedida de usar perucas coloridas no ano passado. Mas pagar uma "gorjeta" aos censores ajuda no processo.

O reconhecimento - as meninas têm sido destaque na mídia birmanesa - ainda não é refletido no seu sucesso financeiro.

A mãe de Wai Hnin Khaing  ganha a vida vendendo salada com carne de porco na rua por 200 kyat o prato, ou cerca de US$ 0,25.

Lalrin Kimi, que atende pelo nome de Kimmy no palco, cresceu em uma aldeia na montanha perto da fronteira com a Índia, uma área que sofre de fome e pragas dos ratos de arroz. Ela vive com seus irmãos em Yangon e ganha a vida cantando em bares e restaurantes.

Seu pai desaprovou sua participação na banda. "Ele queria que eu trabalhasse apenas com músicas gospel", disse.

Componentes do grupo Me N Ma Girls fazem show em hotel de Yangon, Mianmar

As meninas têm grandes sonhos. "Eu quero que essa banda seja famosa e reconhecida mundialmente", disse Su Pyae Mhu Eain, formada em Zoologia, conhecida como Cha Cha. "Eu quero que essa banda chegue até Hollywood!"

Experiências individuais de Cha Cha inspiraram uma canção sobre o término de um namoro, com um refrão que diz: "Você é um mentiroso!" O videoclipe da música foi filmado em Bangcoc no ano passado.

Para a maioria das meninas, essa foi sua primeira viagem para fora da empobrecida Mianmar. Elas maravilharam-se com o trânsito de Bangcoc, com a quantidade de lojas nos shoppings e o possível anonimato que se tem ao viver em uma grande cidade.

"Eu me senti livre lá", disse Kimmy. "Nós podíamos usar o que fosse. Não precisávamos nos preocupar com outras pessoas. Aqui, se usamos shorts, sofremos provocações."

A banda também viu o lado libertino de Bangcoc, incluindo um show de sexo em um setor de bares conhecidos como Nana Plaza. "Havia tantas coisas que não vemos em Mianmar", disse Kimmy. "As prostitutas – eram tantas!" (O show, que contou com um ato sexual particularmente explícito, foi demais para Cha Cha e ela correu para o banheiro para vomitar).

As meninas estão planejando um retorno no início desse ano para participar de um evento com outras bandas de Mianmar, realizado para a grande comunidade de expatriados que vive na Tailândia. Enquanto isso, elas se concentram em ensaiar e em manter seus pais felizes.

Htike Htike Aung, uma integrante da banda, que também faz o design de capas de seus CDs e demais trabalhos artísticos, recebeu uma mensagem de texto de sua mãe durante um dos ensaios recentes que passou da meia-noite.

"Você sabe que ainda tem pais?" dizia a mensagem, seguida por um pedido mais controlado dizendo: "Minha filha, me ligue de volta!"

Htike Htike Aung voltou para casa e encontrou sua mãe esperando por ela com uma refeição caseira. "Ela nunca vai dormir até eu voltar para casa", disse Htike Htike Aung. "Eu me senti tão mal."

The New York Times

______________________________________________________________________________

Meninas-noivas turcas tem infância roubada pela violência, afirma estudo da associação de mulheres "Flying Broom"  (13/11/11)

Segundo entidade que combate a prática, estes casamentos vêm acompanhados de violência, estupros, incesto e problemas mentais

Testemunhos como este dão voz às frias estatísticas de um recente estudo sobre os casamentos de menores na Turquia, que representam 28,2% de todos os casamentos.

Essa conclusão é resultado de uma análise realizada pela associação de mulheres " Flying Broem", em 54 províncias do país, segundo dados de 2008.

Um fenômeno que não só rouba a infância de milhares de meninas, mas as condiciona a uma vida muitas vezes marcada pelas surras, estupros e trabalhos forçados.

Segundo Sevna Somuncuoglu, coordenadora da pesquisa, este estudo mostra que o costume não só não desapareceu, mas "inclusive é mais comum nas grandes cidades", segundo publicou o jornal "Cumhuriyet".

Tanto que até o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, casou seu filho em 2003 com Reyyan Uzuner, quando ela tinha 17 anos, após obter uma ordem judicial.

O estudo sobre as meninas-noivas, que foi apresentado na semana passada no Parlamento, revela que uma em cada cinco meninas da comunidade cigana que vive ao noroeste de Istambul (aproximadamente 1,5 milhão de pessoas) se casa quando completa 15 anos.

Escravidão

O psiquiatra Selçuk Candansayar, da Faculdade de Medicina na Universidade Ghazi, explicou à Agência EFE que estes casamentos vêm acompanhados de violência, estupros, incesto e problemas mentais, e que os bebês nascidos deste tipo de relações têm taxas mais altas de mortalidade antes do primeiro ano de vida.

"A vidas dessas meninas é roubada. Não podem realizar nenhum de seus sonhos, nem sequer podem sonhar. São tiradas da escola e transformadas em mão de obra, e inclusive em escravas da família do marido. Tudo isto contribui para o aparecimento de problemas mentais graves", declarou Candansayar.

Se a porcentagem de casamentos com menores é de 28,2 na Turquia, em algumas regiões do sudeste do país, como Diyarbakir, este número chega a 50%. Em 2010, em Sanliurfa, uma cidade do sudeste, foram registrados 21.091 partos, sendo que, 712 eram de mães adolescentes.

O estudo estima que o número de meninas-noivas na Turquia, segundo dados de 2008, era de 181.036. Só em Istambul foram registrados 24.934 destes casamentos.

Segundo várias pesquisas, no mundo todo existem dez milhões de meninas que se casam a cada ano, o que significa que a cada três segundos uma menor se casa. A taxa de casamentos forçados e prematuros também é alta no Centro e no Leste Europeu.

Geórgia e Turquia lideram a lista europeia, mas países como a França e Reino Unido também têm porcentagens de até 10% de menores que se casam antes de completar 18 anos, segundo um relatório publicado no jornal "The Guardian".

Medo
A professora de Sociologia Yildiz Ecevit, que apresentou o estudo no Parlamento turco, declarou à Agência EFE que o número de 28,2% foi registrado em estudos demográficos na Universidade Hacettepe, que estuda as práticas matrimoniais no país.

Yildiz ressaltou o papel das tradições e os fatores sócio-econômicos como causa dos casamentos prematuros forçados e insistiu no peso que têm a honra e a virgindade, responsáveis pela reputação da família. Além disso, quando se casam, a família do marido as usa como mão de obra barata ou não remunerada.

"No entanto, não sou a favor de impor medidas legais para que só se casem aos 18 anos. Isto causaria muitos outros problemas. O número de casamentos prematuros, que em sua maioria são celebrados em forma de 'Imame Nikahi' (casamento religioso), vai continuar aumentando", lamentou Yildiz.

"Quando tinha 13 anos me casei com um homem de 30. Nunca o tinha visto. Nos casaram só porque era filho de um amigo do meu pai. Quando o vi, pensei que poderia ser meu pai. Não podia nem chegar perto dele. À noite ficava muito assustada", contou uma das entrevistadas pelo estudo. Dogan Tilic, EFE

______________________________________________________________________________

Feministas do movimento Femen cortam grama contra governo na Ucrânia  (25/08/11)

Milhares de simpatizantes da oposição do governo ucraniano se reuniram nesta quarta-feira em manifestações de comemoração ao aniversário de 20 anos da independência nacional. O evento marcou ainda protestos contra o atual presidente, Víctor Yanukóvich.

Ativista do grupo Femen é detida após fazer protesto contra falta de auxílio social do governo

Seguidores de mais de dez partidos opositores diferentes e movimentos autônomos se encontraram em frente ao monumento em homenagem ao poeta e pintor ucraniano Tarás Shevchenko, admirado pelos nacionalistas, segundo a mídia local.

Opositores afirmam que cerca de 10 mil pessoas participaram das manifestações, que incluíam gritos de ordem lembrando a condenação de Yanukóvich quando era mais jovem. Algumas ruas foram fechadas no centro de Kiev, vigiada por dezenas de policiais.

Ativistas participantes do movimento feminista Femen também realizaram protestos seminuas na capital. As mulheres cortavam a grama próxima à sede do governo, simbolizando os cortes governamentais em serviços sociais à população ucraniana nos últimos 20 anos. Algumas delas foram detidas, acusadas de perturbar a ordem pública.

Ativistas feministas cortam grama perto da sede do governo ucraniano

Ativistas feministas cortam grama perto da sede do governo ucraniano

O dia foi marcado também por manifestações de apoio à ex-premiê Yulia Tymoshenko, que foi presa no início do mês, acusada de abuso de poder e má gestão de fundos públicos enquanto estava no cargo. Os Estados Unidos e a União Europeia condenaram a prisão, que acreditam ter sido por motivos políticos.

As acusações a Tymoshenko são referentes a um acordo de gás natural assinado com a Rússia em 2009, quando ela era primeira-ministra. O governo de Viktor Yanukóvich, atual presidente, afirma que o acordo sobrecarregou a Ucrânia com preços altos demais para suas importações de gás natural.

Policiais barram passagem de milhares de manifestantes durante 20º aniversário da independência ucraniana

Policiais barram passagem de milhares de manifestantes durante 20º aniversário da independência ucraniana

______________________________________________________________________________

Betty Ford: 1918-2011 (09/07/11)

Criadora do Betty Ford Center, o famoso centro de rehab, morre aos 93 anos

Morre Betty Ford, a criadora da rehab mais procurada pelas celebs...

Os Estados Unidos acabam de perder uma importante figura na política, mas foram as celebs hollywoodianas que ficaram sem sua madrinha. Betty Ford, a mulher do ex-presidente Gerald Ford, morto em 2006, faleceu na noite desta sexta-feira (08.07) em Palm Springs, Califórnia.

Viciada confessa em álcool e pílulas, Betty se baseou em sua história pessoal para criar, em 1982, a famosa clínica para dependentes. Por lá já passaram nomes como  Liz Taylor, Liza Minnelli, Mary Tyler Moore e até a new generation, como LiLo, Drew Barrymore, David Hasselhoff e Robert Downey Jr.

Curiosamente, Betty viveu até que bastante para uma pessoa que enfrentou tantos problemas sob os holofotes… Que sirva de exemplo!

______________________________________________________________________________

Apresentadora Oprah Winfrey se emociona ao receber doutorado na África do Sul (25/06/11)

Apresentadora chorou ao ser homenageada pela Free State University nesta sexta-feira (24)

Oprah Winfrey se emocionou muito nesta sexta-feira (24) ao receber o douturado honorário em educação pela Free State University, que fica na cidade de Bloemfontein, na África do Sul.
A apresentadora chorou ao subir ao palco e receber a homenagem, que foi dada como uma forma de reconhecer o progressos entre as relações raciais no país africano.

AP

De acordo com o jornal "Daily Mail", Oprah, que usava beca e chapéu, sentou na plateia e assistiu à toda a cerimônia em sua homenagem, que durou cerca de 1 hora. O auditório que tem capacidade para 4.500 pessoas estava lotado.
Quando foi receber o prêmio das mãos do professor Dennis Francis, a apresentadora levantou os braços e vibrou muito, sendo aplaudida por toda a plateia. Ainda de acordo com a publicação, a Universidade disse que depois do douturado Oprah se tornou uma verdadeira sul-africana.
AP
_______________________________________________________________________________

Aos 80 anos, atriz Anne Francis morre de câncer no pâncreas (03/01/11)

A atriz americana Anne Francis, coprotagonista de "Planeta Proibido", famoso filme de ficção científica da década de 1950, morreu aos 80 anos por complicações decorrentes de um câncer no pâncreas, informou nesta segunda-feira o jornal "Los Angeles Times".

A atriz Anne Francis, que morreu nesta segunda-feira, aos 80 anos

A atriz, que também teve diagnosticado um câncer no pulmão em 2007, morreu no domingo em uma casa de repouso em Santa Barbara (Califórnia), relatou ao jornal sua filha, Jane Uemura.

Anne ganhou fama na década de 1950 com o filme "Planeta Proibido", que se tornou um clássico da ficção científica, e nos anos 1960 protagonizou a série "Honey West", na qual interpretava uma detetive particular.

Sua carreira artística teve início no rádio e na televisão e antes de começar a atuar no cinema, nos anos 1950, participou de espetáculos na Broadway. Posteriormente, retornou à televisão em dezenas de séries.

Anne trabalhou em mais de 30 filmes, incluindo "Conspiração do Silêncio", "O Revólver Mercenário", e "De Caniço e Samburá", mas se destacou como uma das estrelas de "Planeta Proibido", ao lado de Walter Pidgeon e Leslie Nielsen.

DA EFE, EM WASHINGTON

_____________________________________________________________________________

Operária Geraldine Doyle, que inspirou famoso cartaz da Segunda Guerra morre nos EUA (30/12/10)

Morreu nos EUA Geraldine Doyle, americana cuja foto inspirou um famoso cartaz elogiando os esforços das operárias americanas durante a Segunda Guerra (1939-45). Doyle morreu no domingo (26) em Lansing, no Michingan, aos 86 anos.

Uma foto de Doyle aos 17 anos, quando trabalhava em uma fábrica, serviu de modelo para o famoso cartaz de uma mulher vestindo um lenço na cabeça e mostrando um musculoso bíceps, informou o "Lansing State Journal".

Cartaz convida americanas a trocarem o trabalho doméstico por fábricas enquanto os homens lutavam na guerra

Chamada "We Can Do It!" ("Nós podemos fazer isso!", em tradução livre), a imagem inspirou filhas, irmãs e mães a trocar o trabalho doméstico por empregos em fábricas no Michigan e ao redor dos EUA, enquanto os homens estavam longe de casa, lutando na guerra.

"Ela era definitivamente uma das Rosies", disse Sandy Soifer, diretora-executiva do Centro Histórico e Hall da Fama das Mulheres de Michigan, referindo-se à fictícia "Rosie the Riveter", nome dado às mulheres trabalhando em fábricas durante a guerra.

"Acreditamos que ela é a modelo do desenho que é o mais normalmente usado nos cartazes e produtos", disse Soifer.

"Rosie the Riveter" é também o nome de uma música popular dos anos 1940, e o nome de um quadro de Norman Rockwell, de uma operária segurando uma ferramenta.

Doyle disse ao "Lansing State Journal" em 2002 que até 1984 --quatro décadas depois-- ela não tinha se dado conta de que era o rosto estampado no cartaz, patrocinado pelo Comitê de Coordenação de Produção da Guerra dos EUA.

DA ASSOCIATED PRESS, EM LANSING (MICHIGAN)

______________________________________________________________________________

Ator Michael Douglas leva família para a Disney  (24/11/10)

Michael Douglas levou a família para curtir alguns dias de folga na Disney, segundo informou a agência de notícias "Splash News". O ator americano posou com os filhos Dylan, de 10 anos e Carys, de 7, e da mulher, Catherine Zeta-Jones, ao lado dos personagens do parque temático Mickey e Minnie Mouse, em frente à árvore de Natal do Epcot, na Flórida.

Aos 65 anos de idade, Michael luta contra um câncer na garganta. Em entrevista para uma publicação alemã, o ator afirmou que culpa o álcool e o cigarro pela doença. "Meu câncer de garganta é o resultado de beber e fumar por tantos anos", disse. Na tarde de terça-feira (23), Michael e Catherine foram vistos deixando o prédio da família, em Nova York, para Orlando. Além de celebrar os 10 anos de casamento do casal, a família comemora o Dia de Ação de Graças, celebrado todo o dia 25 de novembro. _______________________________________________________________________________

Angelina Jolie escolhe atriz Zana Marjanovic da Bósnia para protagonizar filme que vai dirigir  (23/09/10)

Angelina Jolie escolheu a atriz Zana Marjanovic para protagonizar o filme que vai marcar sua estreia como diretora de cinema. As informações são da agência de notícias Associated Press. No filme, Zana vai viver uma mulher que se apaixona por um sérvio durante a guerra. A atriz descreveu o roteiro como "fabuloso" e disse que está feliz por trabalhar com "uma grande atriz e defensora dos direitos humanos" como Jolie. O filme deve começar a ser gravado no final do ano na Bósnia, onde Jolie esteve duas vezes neste ano como parte de seu trabalho como embaixadora da ONU. Jolie já disse em entrevistas que só vai usar atores da região no filme. ______________________________________________________________________________

Diretor Woody Allen desmente boatos de erros de Carla Bruni em seu filme (13/09/10)

Woody Allen saiu que em defesa de Carla Bruni sobre os boatos que ela precisou de 32 tomadas para fazer uma cena em "Midnight in Paris". "Ela não era esse problema todo" disse em entrevista à "Associated Press". O diretor ainda fez elogios a Carla: "Estou encantado por ela".

Allen, que acompanhou as gravações de Carla Bruni de perto, falou sobre a atuação da primeira-dama no longa: "Ela é ótima. Fez uma pequena participação, porém respeitável". O diretor também desmentiu que precisou contratar outra atriz para o papel de Bruni. "Contratei outra para um personagem diferente", explicou. Carla interpreta uma guia de turismo no museu Rodin no filme que tem estreia prevista para 2011.

______________________________________________________________________________

Ator James Gammon morre de câncer no fígado aos 70 anos na Califórnia, nos EUA (18/07/10)

O ator americano James Gammon morreu de câncer no fígado na última sexta-feira (16), em Costa Mesa, na Califórnia, nos Estados Unidos, aos 70 anos. Ele era conhecido pelos filmes "Cowboy do Asfalto", "Silverado", "Rebelião em Milagro", "Garra de Campeões", "As Aventuras de Huck Finn" e "Wild Bill - Uma Lenda no Oeste".

Recentemente, Gammon também atuou nos filmes "Cold Mountain" e "Appaloosa - Uma Cidade Sem Lei". Gammon fez ainda uma participação especial na série de televisão "Grey's Anatomy".

Gammon sofria de câncer no fígado e nas glândulas adrenais. Ele era casado com Nancy Jane Kapusta desde 1972. ________________________________________________________________________________ Motorizados, Tom Cruise e Cameron Diaz promovem filme na Espanha (16/06/10)

Tom Cruise e Cameron Diaz chegaram motorizados para a première do longa "Knight and Day" nesta quarta-feira, 16, em Sevilha na Espanha. O ator deu show em uma moto e atriz preferiu não se arriscar chegando em um carro da marca BMW.

_______________________________________________________________________________

 Black Eyed Peas levanta multidão na África (10/06/10)

A banda Black Eyed Peas já se apresentou no concerto de abertura da Copa do Mundo na África, que acontece nesta quinta-feira (10). O show acontece no estádio Orlando, em Soweto.

A banda subiu ao palco e levantou a platéia presente com seu sucesso “I got a felling”. A grande atração será a colombiana Shakira. Ela tocará três músicas, dentre elas o tema do Mundial “Waka Waka – Time for Africa”, com o grupo sul-africano Fleshyground.

_______________________________________________________________________________

Shakira desembarca na África do Sul para abertura da Copa do Mundo (07/06/10)

Shakira já está na África do Sul para o início da Copa do Mundo. A cantora, que irá cantar ao lado de outras personalidades durante a abertura oficial do torneio de futebol na próxima sexta-feira (11), desembarcou em Joanesburgo na manhã desta segunda-feira (7). Em seu Twitter, ela postou uma foto no interior do avião, minutos antes de decolar rumo ao país africano. "Dentro do avião A380 da Lufthansa. África do Sul aqui vou eu", escreveu a colombiana.

Em sua chegada no aeroporto O R Tambo, ela precisou ser escoltada por seguranças para evitar o assédio da multidão. No show, que acontece no estádio Orlando e que marca o início da Copa do Mundo, Shakira dividirá o palco com famosos como Alicia Keys, Black Eyed Peas e o veterano John Legend.

Além do show que fará na Copa do Mundo, Shakira também lançou um vídeo oficial do evento. O clipe da música "Wacka Wacka", que vazou na rede recentemente, traz imagens de jogadores como Pelé, Ronaldo, David Beckham, Maradona e Denilson. (ASSISTA ao vídeo abaixo)

_______________________________________________________________________________

Dançarino japonês Kazuo Ohno morre aos 103 anos (01/06/10)

O dançarino e coreógrafo japonês Kazuo Ohno morreu nesta terça-feira (1º) em um hospital da cidade de Yokohama, no Japão, segundo informou o agente dele. Kazuo Ohno era conhecido mundialmente como o pai do butô contemporâneo, mistura de teatro e dança de vanguarda que ele desenvolveu junto com Tatsumi Hijikata, morto em 1986.

Na página do estúdio de dança de Kazuo Ohno, uma mensagem lamenta a morte do mestre. "É com grande pesar que anunciamos a morte de Kazuo Ohno em 1º de junho de 2010", diz o comunicado. "Nós gostaríamos de expressar a nossa estima pelo seu apoio ao longo dos anos", finaliza a mensagem. Folha ____________________________________________________________________________

Sarah Jessica Parker promove ‘Sex and the city 2’ no Japão (31/05/10)

Sarah Jessica Parker está no Japão para provever “Sex and the city 2”. Nesta segunda-feira, 31, a atriz e suas companheiras de elenco - Cynthia Nixon, Kristin Davis e Kim Catrall – participaram de um encontro com jornalistas em Tóquio.

Cynthia Nixon, Kristin Davis, Kim Catrall e Sarah Jessica Parker

______________________________________________________________________________

A violência cult de Battle Royale vai retornar às telas em 3D (19/05/10)

Segundo o Screen Daily, a empresa japonesa Toei planeja converter o cult violento “Battle Royale” para 3D, tendo em vista o relançamento do filme nas salas de cinema. O “Battle Royale” estreou no Japão em 2000 e foi distribuído para 35 países – nos EUA, sob as bênçãos de Quentin Tarantino. No Brasil, saiu direto em DVD – o que já é um mérito, considerando a quantidade de produções japonesas que chegam por aqui.

O filme original foi dirigido pelo mestre Kinji Fukasaku, que faleceu em 2003, não tendo por isso nada haver com esta conversão, que está a cargo do seu filho, Kenta Fukasaku. Vale lembrar que Kenta é também o diretor da sequência, “Battle Royale 2: Requiem”.

“Battle Royale” (Batoru Rowaiaru) foi inspirado no livro da autoria de Koushun Takami com o mesmo título e se tornou um dos filmes mais influentes e violentos vindos do Japão nos últimos dez anos. O enredo do filme desenvolve-se num futuro não muito distante, onde os jovens se tornaram demasiado rebeldes. Devido à recessão econômica na Grande República do Leste Asiático e os danos sociais que ela acarreta, o governo vê-se na contingência de apoiar a lei conhecida como Ato BR.

A lei consiste em sortear um grupo de estudantes para participar num jogo, em que o objetivo primordial é matarem-se uns aos outros até restar apenas um. O governo aprova este jogo com a justificação de que está a cumprir uma demanda social para eliminar a delinqüência juvenil. Espera-se que a versão 3D do filme esteja pronta para estrear em 20 de novembro no Japão. (Aníbal Santiago) _______________________________________________________________________________

Lady Gaga aposta em look bizarro em programa de TV japonês (17/04/10)

Lady Gaga parece que não está interessada em passar despercebida pelo Japão. Como de costume, o fenômeno pop voltou a tirar mais um look extravagante de seu guarda-roupa para aparecer em um programa de TV japonês. De acordo com o tablóide britânico “Daily Mail”, a cantora esteve no TV Asahi Music Station e, em entrevista, garantiu que estava vestindo apenas modelos desenhados por designers do país. "Tudo que estou usando é japonês", disse ela que desfilou criações de Somarta e Yuima Nakazato.

A estrela ainda contou que procura valorizar os jovens designers. "As coisas mais importantes para mim são apoiar os jovens designers e a moda. Quando criamos a Monster Ball todas as roupas que usei foram desenhadas por jovens designers - e, claro, é uma imagem forte e memorável para os fãs", explicou. Durante sua visita à atração nipônica, na sexta-feira (16), a estrela cantou o sucesso “Telefone” – música a qual ganhou um clipe em parceria com Beyoncé. Em sua turnê pelo Japão, Lady Gaga já realizou duas apresentações em Osaka e fará, em breve, três shows em Tóquio. Confira no vídeo abaixo a performance da cantora no programa de TV:

______________________________________________________________________________

'Mother' é eleito melhor filme em premiação do cinema asiático (22/03/10)

O filme sul-coreano "Mother - A busca pela verdade", de Bong Joon-ho, foi o grande destaque do quarto Asian Film Awards, premiação do cinema asiático cujos vencedores foram divulgados nesta segunda-feira (22).

História de uma mãe que luta para livrar o filho de uma acusação de assassinato, o longa de Joon-ho também se sagrou vencedor nas categorias melhor filme, melhor roteiro e melhor atriz, para Kim Hye-ja, espécie de Fernanda Montenegro da Coréia do Sul. Popular em seu país, Joon-ho é também o diretor do filme de monstro "O hospedeiro".

Outro destaque do Asian Film Awards foi "City of life and death" (Cidade de vida e morte, em tradução literal), que venceu os prêmios de direção e fotografia. O longa de Lu Chuan narra atrocidades cometidas pelo exército japonês durante a Segunda Guerra Mundial. Também receberam dois prêmios cada os filmes "Bodyguards and assassins" (Guarda-costas e assassinos, em tradução literal), por melhor ator e ator coadjuvante, e "At the end of daybreak" (Ao final da alvorada, ao pé da letra), por atriz coadjuvante e diretor revelação (Ng Meng Hui).

"Thirst", filme de vampiros de Park Chan-wook ("Oldboy"), ficou com o prêmio de efeitos visuais, enquanto que Zhang Yimou, de "A casa das adagas voadoras" e "Herói", foi premiado por sua contribuição à indústria de cinema asiático. ___________________________________________________________________________

Comercial com Pamela Anderson é banido da televisão australiana, diz site (01/03/10)

A estrela da Playboy Pamela Anderson teve um comercial banido na televisão australiana.

O motivo? Ela é sexy demais pra eles! Ok, não é apenas isso! Na propaganda, Pamela aparece de biquini, envolta num "creme branco" com outra garota e os australianos acharam que ela cruzou a linha da decência e tornou a mulher um objeto.

O vídeo foi feito para uma empresa de domínios de internet e os telespectadores acharam que o comercial é "totalmente sobre sexo, não tem nada sobre domínios, a menos que seja para um site pornô", além de acreditarem ser sexista. Para um dos diretores da empresa, Gavin Collins, a culpa é dos blogs feministas, que jogaram essa controvérsia no ar. A empresa briga dizendo que o comercial não deve ser banido e ataca os clip es de música que passam na tv. "Há muito mais gráficos e imagens sexuais explícitas ali e milhares de adolescentes assistem.

Acho que os pais precisam ser mais conscientes sobre o que seus filhos andam vendo...", disse o diretor, segundo o site Popcrunch.

 
Ache outros vídeos como este em universomovie
____________________________________________________________________________

O Festival Internacional de Cinema de Berlim foi agraciado nesta quinta (18) com filmes de duas jovens diretoras, a argentina Natalia Smirnoff e a bósnia Jasmila Zbanic, a primeira com um drama que conta com o talento de María Onetto e a segunda com uma obra sobre a radicalização islâmica em Sarajevo. (19/02/10)

Diretora bósnia Jasmila Zbanic

Zbanic, nascida em 1974 em Sarajevo e Urso de Ouro em 2006 com "Grbavica", voltou ao Festival de Berlim com uma sutil amostra de como sugerir, mais do que expor, os efeitos deixados na sociedade bósnia muçulmana pelo conflito bélico. Smirnoff, nascida em 1972 em Buenos Aires, estreou com "Puzzle", centrado nos sentimentos de uma mulher, María do Carmen - interpretada por Onetto. A personagem é presenteada em seu 50º aniversário com um quebra-cabeças, montado com muito prazer e rapidez.

Arturo Goetz, Ulysses, Natalia Smirnoff, Alejandro Franov

Onetto é a menina dos olhos da diretora para desenvolver seu filme. O primeiro plano no rosto da atriz, alternado com o close em suas mãos superdotadas para montar qualquer quebra-cabeças, é o fio condutor do filme. Entre os personagens do mosaico, estão o marido, os filhos e uma alma gêmea que surge como dupla para um torneio mundial de quebra-cabeças na Alemanha.

Fundamentalismo religioso __ Em outra órbita está a diretora Zbanic com "On the path". A história enfoca uma jovem e bela aeromoça bósnia, que quer ter filhos com seu companheiro, um muçulmano moderno e controlador aéreo, que perde o emprego por beber durante o trabalho. Ao cair no desemprego, ele busca esperanças em um acampamento de muçulmanos que seguem as regras estritas do Corão, onde as mulheres se cobrem da cabeça aos pés e seu contato com o mundo é a fenda em sua burka na altura dos olhos.

"Após o genocídio, após a guerra perdida, foram muitos os que buscaram refúgio no fundamentalismo religioso. Tratei de abordar esse processo e até que ponto alguém, por amor, deve aceitar as mudanças do outro, quando começamos a renunciar a nós mesmos e a que ponto a renúncia significa traição", explicou Zbanic. Do refúgio na religião à lavagem cerebral, do Corão ao fundamentalismo político: esta é a questão levantada por Zbanic, em um filme que mostra com inteligência os aspectos da sociedade bósnia. Quatro anos após abordar em "Grbavica" o drama das mulheres violadas no conflito balcânico, Zbanic retornou ao festival com uma exibição de talento consolidado.

Tradição argentina - Sobre a estreante Smirnoff, se abordava a questão sobre se ela cumprirá a regra latente de que todo filme argentino em competição sai premiado do Festival de Berlim. Assim foi desde que Lucrecia Martel levou o prêmio em 2001 com "O pântano". A regra se manteve, sucessivamente, com Daniel Burman, Ariel Rotter e Rodrigo Moreno, com distinções maiores ou menores, até chegar em 2009 ao portenho Adrián Biniez, com "Gigante", rodado no Uruguai. Se Rotter e Moreno sustentaram seus filmes no trabalho de ator de Julio Chávez, Smirnoff pegou emprestado de Onetto - outro sinônimo de solidez interpretativa - de seu compatriota e colega Martel.

Vaia Smirnoff e Zbanic deixaram no Festival de Berlim o selo do bom trabalho, com o rótulo comum de "jovens produtoras", enquanto o anfitrião alemão recebeu a primeira vaia da competição com "Jud Süss", de Oskar Roehler. Seu filme se centra na figura de um ator, Ferdinand Marian, que vende sua alma ao diabo - o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels - não por vontade própria, mas porque não se atreve a negar.

Ele acredita que poderá manipular o grande manipulador do Terceiro Reich, mas obviamente não consegue, com as previsíveis consequências para sua esposa, de origem judaica. Rodada sob o prisma estético de um melodrama dos anos 40, com Moritz Bleibtreu a meio caminho da paródia de Goebbels, o filme provocou impaciência entre a imprensa internacional e vergonha entre os alemães. _____________________________________________________________________________ Mangá ultraviolento e cultuado, Gantz terá dois filmes em 2011 (05/01/10)

Um dos mais cultuados mangás da atualidade, “Gantz” vai virar filme. Melhor ainda: filmes no plural. Famoso pela extrema violência, sexualidade, mortes dramáticas, citações de cultura pop e tramas construídas como games, em que personagens, vestindo roupas negras de cosplay, precisam eliminar aliens para avançar de estágios, Gantz” virou um fenômeno, que já foi adaptado numa série animada de duas temporadas e num videogame.

Agora, o mangá criado por Hiroya Oku chegará às telas de cinema, com direção de Shinsuke Sato (que adaptou o mangá clássico “Princess Blade” no filme “A Sociedade da Espada”, disponível em DVD no Brasil). Os protagonistas Kei Kurono e Masaru Kato serão interpretados, respectivamente, por Kazunari Ninomiya (da série “Yamada Tarô”) e Kenichi Matsuyama (que viveu L nos filmes baseados no mangá “Death Note”).

A história é tão complexa que os produtores decidiram lançá-la em duas partes. Serão dois filmes, filmados simultaneamente, e ambos serão lançados ao longo de 2011. Ainda está longe. Mas, para os fãs, o teaser abaixo já dá água na boca.

Comentar

Você precisa ser um membro de universomovie para adicionar comentários!

Entrar em universomovie

Badge

Carregando...

Fashion Films

models.com

First Look: SSAW Magazine

ssaw_ss14_cover5

The new SSAW explores freedom in all its forms More...

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

We are so Droeë

Spécial Beauté Toutes Des Vip

Publication: Grazia France April 2014 Model: Emily Didonato Photographer: James Macari Fashion Editor: Ana-Li Mraovitch Hair: Andre Gunn Make-up: Christopher Ardoff

fashion editorials.com

Editorial Exclusive : Veronika V(Wilhelmina LA) by Ted Emmons for FE!

Photographer: Ted Emmons @ 7 Artist Management  Stylist: Rafael Linares @ One Represents  Stylist Assistant: Frida Lofgren Manicurist: Karen Guiterrez @ Nailing Hollywood Mua: Brittany Meredith Hair: Sal Salcedo Model: Veronika V. @ Wilhelmina  

Geral Cinema

Academia de Hollywood anuncia data da cerimônia do Oscar 2015

A Academia de Hollywood anunciou nesta quinta-feira a data oficil da 87ª edição dos prestigiados prêmios Oscar, que serão entregues no dia 22 de fevereiro de 2015 em cerimônia que será realizada no teatro Dolby de Los Angeles....

Fashion Spoiler

M.Rodarte - Outono/Inverno 2014


Camila Mingori, da agência WAY, em fotos de Marcio Rodrigues, vídeo de Paulo Raic e Fabio Lamounier, styling de Mariana Sucupira e make&hair de Ronnie Peterson, na campanha de Inverno 2014 da grife M.Rodarte.


© 2014   Criado por universomovie.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço